Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Blog da Santa Casa da Misericórdia de Torres Vedras

As últimas notícias sobre o Lar de Nossa Senhora da Misericórdia, Clínica Domus Misericordiae, ERPI, Creche, Jardim de Infância, CATL, Centro de Dia e Serviço de Apoio Domiciliário

O Blog da Santa Casa da Misericórdia de Torres Vedras

As últimas notícias sobre o Lar de Nossa Senhora da Misericórdia, Clínica Domus Misericordiae, ERPI, Creche, Jardim de Infância, CATL, Centro de Dia e Serviço de Apoio Domiciliário

O ministro adjunto assinou com as instituições de solidariedade social um protocolo para criação de emprego jovem.


A cerimónia, que contou também com o ministro da Solidariedade e da Segurança Social, Pedro Mota Soares, serviu para estabelecer um protocolo com a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, União das Misericórdias Portuguesas e com a União das Mutualidades Portuguesas para receberem estagiários nas respetivas instituições pagos a 100 por cento pelo Estado, com remunerações que vão até os 700 euros mensais.


Miguel Relvas, que lidera a comissão interministerial para a criação de emprego e formação jovem, referiu também que o combate ao desemprego "não se pode travar sozinho" e que, à semelhança do acordo com os parceiros sociais, cujo o protocolo foi assinado na sexta-feira, "o Governo associa-se hoje às instituições representativas do sector social". 

O ministro adjunto adiantou que este programa de estágios, incluído no programa Impulso Jovem, "permite aos desempregados jovens uma integração célere no mercado de trabalho" e, ao mesmo tempo, "permite às entidades da economia social o acesso a mão-de-obra qualificada".

O ministro da Solidariedade e da Segurança Social, na sua intervenção, fez questão de frisar que "o desemprego é a maior ameaça social e económica que temos de enfrentar", acrescentando que "é assim em Portugal como na Europa".

Pedro Mota Soares sublinhou que "existem sectores, como a economia social, que continuam a crescer" em contraciclo com os restantes sectores e que é necessário aproveitar tal situação.

A economia social "emprega 250 mil pessoas e é o principal empregador em certos distritos e concelhos", disse o ministro da Solidariedade, adiantando que são este tipo de instituições "que combatem a desertificação do país" e que não de deslocalizam. 

Esta medida destina-se a jovens com idades compreendidas entre os 18 e os 30 anos, inscritos nos centro de emprego há pelo menos quatro meses.

Dinâmicas Actuais da Pobreza e da Exclusão Social. Conceptualizações, politicas e intervenções

 

 

 

Este colóquio, Dinâmicas Actuais da Pobreza e da Exclusão Social. Conceptualizações, politicas e intervenções, visa abordar um conjunto de problemáticas em torno da pobreza e da exclusão social que têm tido pouca visibilidade ou que têm sido insuficientemente exploradas do ponto de vista académico. É organizado pela Secção Temática Pobreza, Exclusão Social e Políticas Sociais da Associação Portuguesa de Sociologia (APS) e irá realizar-se no dia 25 de Novembro de 2010, no Auditório 3 da Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa.

 

Para o efeito, pretende-se mobilizar um conjunto de peritos de reconhecido mérito nacional e internacional nas questões da pobreza e da exclusão social, assim como nas políticas sociais, no sentido de partilhar conhecimentos com um público diversificado de voluntários, dirigentes e técnicos da área da intervenção social, bem como com o público em geral.

 

A entrada é livre, sujeita à lotação da sala (se desejar Certificado este tem um custo de 10€), pedimos-lhe apenas que envie a Ficha de Inscrição devidamente preenchida para pobreza@aps.pt indicando a sua intenção em participar.

 

Veja aqui o Programa e o Cartaz do Colóquio.