Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Blog da Santa Casa da Misericórdia de Torres Vedras

As últimas notícias sobre o Lar de Nossa Senhora da Misericórdia, Clínica Domus Misericordiae, ERPI, Creche, Jardim de Infância, CATL, Centro de Dia e Serviço de Apoio Domiciliário

O Blog da Santa Casa da Misericórdia de Torres Vedras

As últimas notícias sobre o Lar de Nossa Senhora da Misericórdia, Clínica Domus Misericordiae, ERPI, Creche, Jardim de Infância, CATL, Centro de Dia e Serviço de Apoio Domiciliário

Ermida da Nossa Senhora do Amial

 

 

Esta venerável capela, de remota fundação medieval, foi reconstruída por completo em meados do século XVI, época que melhor se testemunha nas fachadas e em certos elementos do interior.

 

É tradição ter sido aqui instituída a primeira freguesia de Torres Vedras, antes portanto da matriz de Santa Maria do Castelo, e foi seguramente em casas suas que se estabeleceu o mais antigo hospital da vila.

 

Do passado mais antigo subsiste apenas a inesperada sineira gótica, a velha imagem policromada de Nossa Senhora de Racamador (século XIV?) e uma curiosa laje sepulcral com escudo de tipo de cadeado — em campo uma quaderna de crescentes — e atravessado por uma espada. Ao lado do escudo, igualmente esculpido, um estandarte medieval.

 

Anteriormente à grande reconstrução quinhentista, há dois muito interessantes vestígios do primeiro quartel do mesmo século XVI. Um deles é a pia de água benta, recortada e de lavor de tipo manuelino. O outro passará mais despercebido, mas não é menos importante, reclamando sempre a sua cuidadosa conservação, tanto mais que será parte mínima de uma decoração já estendida decerto a todo este banco de alvenaria como ao outro da parede oposta. Trata-se de um pequeno e admirável rodapé de azulejos mudéjares ditos hispano-árabes, de estrelas geométricas e belos esmaltes. De manter igualmente em qualquer futuro restauro os retábulos setecentistas, quer o do altar do lado do Evangelho, onde está a imagem de Nossa Senhora de Rocamador, excelente obra de talha datada da remodelação de 1719 e possivelmente da mesma oficina de alguns altares da Igreja de S. Pedro, quer o do altar--mor, mais tardio e onde se venera a imagem policromada de Nossa Senhora com o Menino. Pertencem às mesmas obras de 1719 os arcos de mármores, tanto de um como de outro altar. A outra pia de água benta, oval, de mármore rosado, datará também de 1719.

 

Mas, certamente, o que avulta são as obras à roda de 1550-1560, datas autorizadas pelo estilo arquitectónico da reconstrução e pelas inscrições: na parede do lado do Evangelho, uma lápide de 1551; no pavimento da capela-mor, uma laje sepulcral também de 1551, de Ana de Aguiar, mulher do licenciado João de Camões, fidalgo da casa real; e outra laje datada de 1552, no pavimento da pequena nave. Cita-se ainda a data de 1565 numa janela do alpendre.

 

Típica desta época é a galilé, de composição paladiana, de arco redondo ao centro e colunas do dórico pujado por um frontão triangular. Na porta lateral, igualmente de frontão triangular e urnas decorativas no remate, dispõem-se duas colunas toscanas.

 

No interior, além das abóbadas da sacristia, de bocetes com rosetas, e da capela-mor — esta com o seu desenho de nervuras ao gosto maneirista —, é o púlpito a obra quinhentista mais acabada e de escala monumental. É uma alta tribuna de pedra, cilíndrica e fechada, com pequenas almofadas quadradas do mesmo calcário. A base forma uma pequena taça lisa com pendente e ligeira mísula fixada na parede. A sua estreita e pequena escada é coroada por minúscula e graciosa abóbada.

 

Do recheio desta valiosa capela fazia parte a série de quatro tábuas, S. Pedro, S. Paulo, S. Lourenço e S. Sebastião, pinturas de meados do século XVI que hoje se expõem no Museu Municipal.

 

No altar-mor está de há muito a velha imagem de madeira, bastante repintada, de S. Vicente, que se venerava na derruída ermida do Forte, imagem que é uma relíquia e, ao mesmo tempo, uma peça de valor iconográfico a reunir às várias representações do padroeiro da cidade de Lisboa.