Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Blog da Santa Casa da Misericórdia de Torres Vedras

As últimas notícias sobre o Lar de Nossa Senhora da Misericórdia, Clínica Domus Misericordiae, ERPI, Creche, Jardim de Infância, CATL, Centro de Dia e Serviço de Apoio Domiciliário

O Blog da Santa Casa da Misericórdia de Torres Vedras

As últimas notícias sobre o Lar de Nossa Senhora da Misericórdia, Clínica Domus Misericordiae, ERPI, Creche, Jardim de Infância, CATL, Centro de Dia e Serviço de Apoio Domiciliário

Coluna de água e controlador sem fios é já uma realidade!

É de coração cheio que temos de agradecer a todos os que se envolveram este ano letivo 2013-2014 na angariação de fundos para a criação da nossa Sala de Estimulação e Integração Sensorial…

 

Um dos grandes e maiores objetivos era aquisição da coluna de água para o espaço de relaxação Snoezelen ®. As colunas de água estão no coração da maioria das salas sensoriais  e são um marco presente na mesma desde o aparecimento e desenvolvimento das salas Snoezelen.

 

As colunas de água são estímulos multissensoriais completos que dão informação visual, táctil e auditiva e que podem ser apreciadas passiva e interactivamente por crianças, jovens e adultos de todas as idades e com diferentes níveis de habilidades e competências.

 

A coluna foi adquirida com um controlador de 8 botões sem fios que permite ao seu utilizador controlar as cores da coluna, através da ação causa-efeito, interagindo ativamente com a mesma.

 

A todos os que tornaram possível esta aquisição, o nosso obrigada! Daremos bom uso à mesma e prometemos vista guiada ao espaço (já mais composto!) no início do próximo ano letivo! 

 

 

 

Visita à APA

Na passada 5ª feira dia 7 de agosto, o nosso C.A.T.L. (Centro de Atividades de Tempos Livres) decidiu abrir mãos à solidariedade e recolhemos com a ajuda dos pais e familiares, rações para a APA (Associação de Apoio aos Animais de Torres Vedras).

 

Recolhemos ao todo cerca de 20kg de ração tanto seca como húmida, para os animais que mais necessitam. E como não poderíamos deixar este dia passar sem dar algo também “nosso”, os meninos da sala Arco-íris e Vermelha (CATL) elaboraram um painel em que cada um desenhou e escreveu “Porque é que a APA é importante?”.

 

Algumas das respostas foram as seguintes:

 

- “A APA é importante porque os animais podem morrer com sede”

- “Porque trata dos cãezinhos”

- “Porque se não eles passavam fome”

- “Porque ajuda os cães e os gatos”

- “Porque dá comida aos animais”

 

Entre tantas outras repostas.

 

Visitámos o abrigo da APA onde pudemos comtemplar a quantidade de animais abandonados que esta associação tanto se esforça por dar um espaço, amor, carinho, comida e companhia a cada um.

 

Conhecemos uma cadelinha muito meiga chamada “Franjinhas” que assim que nos viu lambeu-nos de contentamento e pediu-nos muitas festas e brincadeiras. Ainda pudemos dar nome a um cãozinho muito envergonhado mas muito meigo que agora é conhecido como o “Max”.

 

Recentemente esta associação abriu um espaço incorporado, em que só se encontram gatos abandonados e num outro espaço ao lado encontram-se cachorrinhos!

 

Por fim para concluir a nossa visita, passeámos um cão serra da estrela à volta da associação. Ficámos muito contentes por podermos ajudar quem mais precisa e de certeza que se cada um contribuir com o que pode, fará a diferença.

 

A APA por mês gasta cerca de 1 tonelada e meia para alimentar todos os animais que acolhe. Venha ajudar quem mais precisa!!!

 





O Jornal Badaladas, na sua edição de 7 de Agosto, escreve sobre o Aniversário da Santa Casa da Misericórdia de Torres Vedras

 

“Já hoje vos dei um sermão e duas bênçãos”, disse D. Manuel Clemente, Patriarca de Lisboa, com alguma ponta de humor, no seu discurso durante a inauguração do salão de festas da Misericórdia de Torres Vedras, no passado dia 30 de julho.

Na realidade, foi um dia bastante preenchido para a Santa Casa da Misericórdia de Torres Vedras, no dia em que festejou 494 anos de existência. O programa extenso começou logo pelas 11h, com a celebração de Missa, presidida pelo Patriarca de Lisboa, na igreja da Misericórdia, bem no centro da cidade de Torres Vedras.


Ali perto, ao alcance de um atravessamento do Jardim da Graça, a jornada festiva prosseguiu nas instalações da Rua Batalha Reis, onde se efetuaram duas inaugurações. Ambas estão no mesmo edifício, que esteve durante algum tempo destinado a outros serviços e volta agora a ser Centro de Dia e Centro de Convívio, valência que foi criada no mesmo local pelo antigo provedor Joaquim Mendes (entre 1979 e 2000), que dá nome ao prédio de três pisos. 


Regressa assim às suas origens, também como cantina social. Cozinha, refeitório, salão de convívio e de televisão, salas de costura, de jogos e de informática e ainda um pequeno ginásio, são os espaços disponíveis para os utentes do Centro de Dia da Misericórdia. 


De acordo com o provedor, Vasco Fernandes, o número de pedidos de apoio de famílias com dificuldades económicas aumentou muito nos últimos quatro anos, com pedidos diários, e a Santa Casa torriense procura dar resposta a todos, quer através de cabazes de Natal ou sacos de géneros do Banco Alimentar Contra a Fo-me; quer através da Loja Social, que naquele dia foi igualmente inaugurada, liderada por Aida Franco. 


São cerca de 500 pessoas aquelas que recebem artigos doados à Loja Social, após uma avaliação sócio-económica das famílias apoiadas. Roupas, brinquedos ou alimentos, são os artigos que mais são entregues às famílias mais carenciadas do concelho de Torres Vedras pela Misericórdia. 


O almoço decorreu no novo Salão de Festas, um espaço localizado no Sarge, também inaugurado no mesmo dia, com cerca de 800 metros quadrados de área coberta e estacionamento automóvel no exterior. Está junto ao lar da instituição e foi aproveitado de um barracão que estava sem utilidade. Foi também naquele novo salão, que dispõe de palco, camarins, bar e copa, que tiveram lugar os discursos e a cerimónia final do dia. Vasco Fernandes explicou que o novo salão social e cultural foi aproveitado de um espaço que há 15 anos estava abandonado e destina-se a eventos da própria Misericórdia ou para alugar a outras entidades. 


Apesar das dificuldades e do tempo de crise, Vasco Fernandes não deixou de sublinhar alguns projetos que a instituição tem já equacionados. Entre eles está a criação de um lar de acolhimento com capacidade para 20 crianças em risco, substituindo a extinta Associação Não à Indiferença, e ainda uma unidade de cuidados continuados, que continua a ser uma carência sentida na região.

 
“Precisamos de parceiros e de ajuda económica para concretizarmos estes projetos”, apelou o provedor, que se referiu ainda à questão do hospital de Torres Vedras, sem adiantar pormenores sobre o assunto. 


A cerimónia ficou depois marcada pela intervenção sempre entusiástica do padre Vítor Melícias, também ele um torriense, tal como D. Manuel Clemente. Mostrou surpresa ao receber o diploma de Irmão Honorário da Santa Casa da Misericórdia de Torres Vedras, mas ao mesmo tempo orgulho pela distinção. “Sou presidente honorário da União das Misericórdias e irmão honorário de umas dezenas de Misericórdias, mas receber esta distinção na minha terra dá-me uma alegria especial”, confessou.

 
Houve ainda discursos de Carlos Andrade, secretário da União das Misericórdia Portuguesas; e Luís Rodrigues, presidente da mesa da Misericórdia de Torres Vedras. Carlos Miguel, presidente da Câmara Municipal, sublinhou as várias parcerias que têm sido realizadas entre as duas entidades, sempre em prol dos mais necessitados e da população torriense. 


D. Manuel Clemente sublinhou a importância da “fraternidade e da solidariedade”, que são exemplo da atividade da Misericórdia de Torres Vedras. São, da mesma forma, uma solução para o tempo de crise que se vive não apenas em Portugal mas no mundo inteiro. “As crises são momentos de interrupção de expetativas, mas é preciso atuar e dar resposta a quem precisa no momento presente e a Misericórdia promove respostas concretas no presente”, disse o Patriarca de Lisboa. 


A seis anos de completar cinco séculos de existência, a Santa Casa da Misericórdia de Torres Vedras foi fundada nos anexos da capela de Nossa Senhora do Ameal por D. Manuel I, que a proclamou por carta de 26 de julho de 1520, após a fusão de várias confrarias existentes à época. Atualmente presta serviços na área social, no setor da infância e idosos, com as ofertas sociais de creche, pré-escolar, lar, centro de dia, centro de convívio e apoio domiciliário, residências com serviços e com clínica, fisioterapia, ginásio, piscina e hidroginástica.

 

Jornal Badaladas, Edição de 7 de Agosto 

Escrito por: Joaquim Ribeiro

 

“FINAL DE ANO LETIVO... E TEMPO DE FÉRIAS”

Despedir-nos do ano letivo trás sempre alguma nostalgia... aos que partem e vão abraçar outra estrutura de ensino (como é o caso dos nossos finalistas) e aos que ficam e que deram o melhor de si em mais um ano letivo repleto de esforço, dedicação e acima de tudo muito carinho!

 

A nossa despedida teve início no dia 22 de junho pelas 15h, com a Festa de Finalistas das Salas Verde e Arco-íris.

 

Esta festa mais intimista decorreu no Salão Social de Festas da Santa Casa da Misericórdia no Sarge, e pretendeu assinalar o fim do percurso destas crianças na Resposta de Jardim de Infância. Foi com muita emoção que a Instituição e os familiares reviveram momentos desta caminhada e que juntos se despediram num “até sempre”. A todos os que confiaram em nós enquanto instituição educativa e que nos deram o privilégio de fazermos arte do crescimento saudável e harmonioso destas crianças, o nosso obrigada e votos de felicidades para um futuro que se avizinha promissor para todas elas.

 

 

Na sexta-feira seguinte (dia 27 de junho) foi vez de alargar os festejos e proporcionar a todos um final de tarde animado, vivido ao jeito de arraial popular onde nos despedimos do ano letivo 2013-2014. Este ano o tema foi: “As Marchas Populares” e como tal, todos, desde os pequeninos aos mais crescidos, todos marcharam ao som de marchinhas típicas desta época. As apresentações terminaram com a participação conjunta de um grupo de 50 adultos (funcionários e familiares das nossas crianças), finalizando com a integração de 80 crianças (das salas de pré-escolar e CATL), num momento único, que procurou simbolizar a importância da união que a relação escola-família deve ter, vincando assim esse elo tão importante.

 

Pela primeiríssima vez tivemos também a honra de receber após as apresentações e para o acompanhamento do nosso arraial um grupo de música ao vivo, bem como podemos contar até ao final da festa com a música colocada pelo DJ Rafael. Após as atuações procedeu-se à abertura das tasquinhas com febras, sardinhas, sopas, bolos, salgados e bebidas, que só foram possíveis de organizar com a ajuda e colaboração de todos... O valor angariado nas tasquinhas reverteu a favor do “Projeto De Mão Dadas” Sala de estimulação e integração sensorial.

 

Desta forma queremos de coração agradecer: à nossa equipa, aos pais que ofertaram os alimentos, aos pais que se disponibilizaram para assar sardinhas e febras, aos familiares e funcionários que se envolveram numa apresentação especial para as nossas crianças, ao pai do Gabriel da Sala Arco-Íris que esteve presente com um grupo de amigos para animarem o nosso arraial, ao pai de Miguel da Sala Amarela que foi o nosso DJ de serviço.

 

Em relação à Marcha dos adultos... um obrigada especial aos pais do Diogo da sala Verde que junto do Grupo de Carnaval da Orjariça emprestaram as roupas dos senhores da marcha, à Terapeuta da Fala Catarina Miguel que nos trouxe das Marchas do Sul de Ribamar algumas saias e por fim à avó do Afonso da sala Lilás que fez umas lindíssimas flores para adornar os cabelos das senhoras da marcha.

 

 

 

Julho e agosto tem sido meses onde a oportunidade de criar novas experiências, também elas enriquecedoras mas de carácter mais lúdico e livre com a organização de diferentes ateliers e algumas saídas... Fomos à praia, fomos passear ao Parque Verde da Várzea, almoçamos no MacDonalds (mas só por um dia!), tivemos workhops de Hip Hop...

 

 

Fomos à piscina do Domus, fomos ao Museu de Torres Vedras, fizemos pinturas faciais, fomos ao cinema, tivemos uma aula de psicomotricidade com os utentes do centro de Dia, fizemos a primeira venda de alguns dos produtos da nossa horta pedagógica...

 

 

Fizemos ateliers de culinária, fomos ao Sobreiro de Mafra e tantas outras coisas que fazem enriquecer ainda mais o nosso verão!

 

Em setembro cá estaremos para dar início a um novo ano letivo e continuar a aprender tanta coisa importante para o nosso crescimento saudável...